[LEIA TAMBÉM:]

https://lucigama.wordpress.com/2016/09/11/pedagogia-da-ganancia/

chave vermelha
Temos hoje uma discussão importantíssima sobre o discipulado cristão, em exigências para os filhos da fé, como o rompimento com a “família” simbólica referida pelo humorista famoso (família: apenas os que têm a chave da mesma casa), enquanto estrutura de domínio. Igrejas, tantas vezes apontadas como “famílias da fé”, defrontam-se com a necessidade de construir alternativas de vida eclesiástica sem hipocrisia e sem autoritarismo, como a proposta por Jesus na comunidade de seguidores e seguidoras, discípulos e discípulas.

O treinamento para o consumo começa a ser desmascarado. As crianças aprendem a pesquisar, e isto as colocará à parte do controle social exercido pela família tradicional e pela escola, as duas em velocidade defasada quanto às possibilidades do mundo no século 21, informatizado, pronto para uma revolução nas comunicações, desde a política, a educação, a economia… E o que se deve esperar da religião, como baluarte das antigas formas da sociedade do lucro e da acumulação? Podemos esperar por uma sociedade cooperativa, solidária, relacionalmente dedicada à igualdade?

Não é romper com a família, que Jesus ensina, mas “romper com uma forma específica de ser família”, aquela que acentua o autoritarismo sócio-jurídico-cultural da família apoiada na religião moralista. Tida por muito tempo como refúgio nas instabilidades meteorológicas contra a dureza do mundo, a família é o espelho da moralidade hipócrita sustentada a qualquer custo (como Nelson Rodrigues já denunciava).

No mundo bíblico, a exigência cristã tinha a ver com a transformação da própria vida. Tratava-se de mudar a forma de viver segundo a mentalidade do mundo dominador. Para os oprimidos pela violência intrafamiliar, que sustenta valores pétreos, construídos pelo administrador de bens, capataz do poder econômico, o sentido do que viviam correspondia ao que a ideologia dominante impunha. Mas, o que Jesus indica é romper com a tradição dominante (é preciso deixar pai e mãe, e irmãos corrompidos), e que o discípulo venha a assumir o sentido de vida para todos, pais, mães, filhos, filhas, como proposta para vivenciar o Reino de Deus na família.

Assim, Lucas aponta que a primeira exigência no caminho discipular é romper com o modelo de organização familiar hipócrita-autoritária-patriarcal, antes de qualquer coisa. No início do cristianismo, apregoava-se o relacionamento interpessoal íntimo e intenso dos membros da família. “Tendo dado à família o caráter da comunidade cristã, os lares de seus membros proveram atmosfera mais propícia para o amor e a solidariedade, na qual eles puderam dar expressão aos laços que tinham em comum” (Robert Banks). Para as Escrituras Sagradas, a família é um dos bens mais preciosos da humanidade. O primeiro e último amparo é encontrado no ambiente caloroso e aconchegante da família. É essa a proposta de Jesus.

FAMÍLIAS ENTREGUES AO DESMORONAMENTO DA SOCIEDADE ATUAL

A típica família bem-posta brasileira vem sendo reduzida ao conjunto de “indivíduos que possuem a chave da mesma casa”, disse Ary Toledo, com humor rasante. Quem sabe, então, está na hora de trocar a fechadura? Cada vez mais intolerantes uns com os outros, alimentando enredos de novelas, onde homens e mulheres se debatem pelo “direito à felicidade, sob a compulsão da ganância”. É o tempo do “ter-sem-ser-humano”. O exercício da solidariedade é dinamitado – do topo à base, como um velho edifício –, em eficiente tecnologia de demolições, para que os andares restantes desmoronem.

É urgente exercitar dentro da família o diálogo que a libertará dos antivalores divulgados na mídia, na educação, no trabalho (fatos que não dão sentido à liberdade, à produção coletiva, à participação na construção social). Na escola a educação para a esterilização, a pretexto de experiências inconsequentes, sem criatividade; na economia, a família exposta e submissa a interesses inconfessáveis do sistema bancário-financeiro (cf. cartão de crédito & juros bancários); na política, distorcem-se os direitos humanos e cidadania, direitos fundamentais, induzindo-se à irresponsabilidade para com a coletividade, pelo ato de votar corporativamente ou por interesse pessoal. E uma infinidade desprotegida de condenados à morte social nem é lembrada como parte da família humana em questão.

O ataque à “geração internet”, onde muitos acusam o mundo virtual de inculcar a irresponsabilidade e a depreciação moral da família, não procede. Há uma família nova amadurecendo, enquanto experiências críticas são exercitadas como nunca. Tablets, smartphones, computadores, são meios. “O meio é a mensagem”, já dizia Marshal McLuhan nos anos 70. O que se observa é que uma ferramenta das mais poderosas pelas quais passou a humanidade é utilizada principalmente pelos jovens. Esta geração é a que alcançou o maior número de opções e tarefas para o bem-viver, em todos os tempos (Tapscott).

Há um desafio diferente que o consumismo que tem sido ensinado aos jovens: “ter-sem-ser-gente”, pedagogia da ganância. Esses valores estão em cheque, porque não preenchem a vontade de ser gente, ser humano, ser como os demais em suas carências e lutas pela sobrevivência. O novo brota num terreno virgem.

E o que é velho? A sociedade humana é um mundo perturbado por comportamentos inaceitáveis de fratricidas, estupradores, pedófilos, drogaditos, traficantes; espancadores de mulheres e crianças, agressores de homossexuais, linchadores, flageladores, abusadores de mendigos e doentes mentais; traficantes… É o mundo do homem tomado por situações reais, concretas, expostas no cotidiano. O mal radical não poupa as famílias. Enquanto na igreja, ensina-se um cristianismo sem Cristo, sem misericórdia, sem compaixão e sem solidariedade. A família necessita de salvação.

Derval Dasilio

LEITURAS
22ºDOMINGO do Tempo Comum DEPOIS DE PENTECOSTES
Jeremias 18,1-11 – Convertei-vos, consertai os vossos caminhos / Salmo 139,1-6 (13-18) – Livre desde o ventre da mãe / Filemon: 1-21 – Tirei-lhe as algemas da hipocrisia / Lucas 14,25-33 – Rompam com a hipocrisia da família

Anúncios